A única constante no universo é a mudança.

Sans-serif

Aa

Serif

Aa

Font size

+ -

Line height

+ -
Light
Dark
Sepia

Miúdas que não foram à escola de princesas

‘Strong is the new pretty’. Foi através desta frase (que é também um livro com o mesmo nome) que conhecemos o trabalho de Kate T. Parker. Algures ao fazer scroll down no feed do Instagram, uma miúda vestida com fato de banho e touca de natação, fita-nos com um olhar e pose desafiadora. Deve ter cerca de 13 anos, mas uma confiança sem idade, e não podia encarnar melhor aquela frase.

Kate T. Parker começou a fotografar as filhas e depois as amigas das filhas e depois nunca mais parou. Capta instantes em que estas raparigas superam o papel que a sociedade (ainda) lhes destina. Elas põem as mãos e o corpo todo na lama, não têm medo de sujar os vestidos de princesa, de ter os cabelos desgrenhados, de rir com a boca toda, agarrar a vida com os dentes e o mundo pelos tomates. Todas elas são imensamente bonitas, mas não são definidas pela beleza; não estão a crescer para serem bibelots, mas sim mulheres de corpo inteiro que entendem que a beleza sem alma esgota-se depressa ou nem sequer chega a começar. A cada imagem somos recordados de que não há nada melhor e mais inspirador do que alguém a ser e a existir por inteiro. A ser livre.

Mas a cereja no topo do bolo é que Parker começou entretanto a desenvolver outro trabalho. Chama-se ‘Boy Strong’ e recorda que a sociedade patriarcal e machista, com todos os papéis bem definidos para cada um dos sexos – o que podem e devem sentir, fazer, pensar – é tão castradora para as raparigas como para os rapazes. Eles também podem e devem ser tudo o que quiserem ser. Podem abraçar e beijar os amigos, chorar, gostar de flores, dançar, ter o cabelo cor-de-rosa ou azul e, parafraseando o David Bowie em ‘Rebel Rebel’, pôr toda a gente a questionar “if you’re a boy or a girl”.

Os miúdos que vemos nas fotografias de Kate T. Parker renovam a esperança que às vezes se perde na espuma dos dias. As novas gerações são do caraças e têm tudo para serem melhores do que nós e fazer do mundo um lugar mais justo e igualitário.

 

(c) todas as imagens da autoria de Kate T. Parker